JBB contra a corrupção


 

Infelizmente, nos últimos dias, talvez poucas palavras tenham ocupado tanto o noticiário dos jornais e a mídia em geral em nosso país como as palavras corrupção e lava jato. Denunciados por diferentes instâncias, multiplicam-se os casos em que se reconhece a corrupção e os corruptos, destruindo com sua perversa ação o Brasil que sonhamos e que esperamos. É corrupção por todos os lados, nos partidos políticos, nos governos de estados, na Petrobrás, enfim, um mar de lama em que vemos, espantados, envolvidas pessoas que deveriam lutar pelo bem da nossa nação. A corrupção parece que se tornou fato normal e corriqueiro em nosso país e o não praticá-la é que se converteu em exceção.

Segundo a Bíblia, a corrupção denota decadência ou perversão, a corrupção golpeia na raiz. A pessoa apodrece ou se deteriora na sua raiz mais profunda. Não tem mais as reações ou o comportamento que dela se esperava. Nas Escrituras o fenômeno da corrupção aparece já desde o livro do Gênesis que no capítulo 6 vai narrar o desgosto de Deus com sua criação e com a terra por ele instaurada como morada do ser humano, justamente por causa da corrupção em que esta caiu. E os textos vão suceder-se tratando do tema da corrupção em relação a Deus e ao outro. A corrupção primeira é afastar-se do verdadeiro Deus e adorar um ídolo fabricado por mãos humanas, que corrompe o desejo e a vocação do ser humano, afastando-o daquilo para o que foi feito: o culto ao verdadeiro Deus e a prática de sua aliança de justiça e amor para corromper-se cultuando o que é oco, vazio, podre, fonte de deterioro e morte e não de vida. A essa corrupção segue-se outra, que vai de par com a primeira: a corrupção da relação com o outro, com o próximo. A injustiça, que faz com a idolatria perverso binômio que será implacavelmente denunciada pelos profetas que deixarão claro diante do povo para onde estão deixando conduzir suas vidas: para longe da verdade, da luz, da transparência e do amor.

Percebemos que a corrupção e o pecado que tristemente presenciamos em nosso cotidiano de cidadãos, está presente desde que o mundo é mundo. Mas, Deus nos criou em liberdade, nos deixando escolher nosso caminho e traçar nosso destino. Como seres livres que somos, nem sempre conseguimos fazer o bem que queremos, mas muitas, inumeráveis vezes, praticamos o mal que não queremos.

A corrupção nos reveste com o morno líquido do engano e da podridão. E aos mornos, dirá o Apocalipse, – último livro da Bíblia – Deus vomita de sua boca. Que não construamos uma nação que mereça ser expelida da boca do Criador, fonte de toda vida. Esse deve ser nosso constante alerta. Deus é contra toda e qualquer corrupção!

E se existe algum pensamento comum hoje no Brasil é que precisamos combater a corrupção.

Para ajudar a mudar esta realidade, a JBB (Juventude Batista Brasileira) está apoiando o MPF (Ministério público federal) na defesa das 10 medidas contra a corrupção (detalhes: www.combateacorrupcao.mpf.mp.br/10-medidas), que conclama o Congresso para que promova as alterações estruturais e sistêmicas necessárias para prevenir e reprimir a corrupção de modo adequado. Entretanto, precisamos de 1.500.000 assinaturas em cinco estados diferentes para que possamos apresentar o projeto de lei como inciativa popular ao poder legislativo e assim possa ser apreciado.

Convocamos a Juventude Batista Brasileira a se apresentar contra a corrupção e a favor dos valores de Deus. Chamamos todos para se mobilizar e ajudar nesta campanha para mudar este país. Acredito que Deus cobra uma atitude de seu povo. Aonde quer que você esteja, você também é responsável por esta geração, por este tempo. A mobilização poderá tomar corpo com a utilização das redes sociais e com as ferramentas da internet, que são capazes de dar voz aos milhares de brasileiros, como nós, que não suportam mais esta letargia.

A nossa omissão é um dos estímulos e causas da corrupção. Participe de modo concreto nas ações concretas para mudar a realidade de nossa nação. Ore, participe da campanha, recolha assinaturas e não se conforme com esta realidade.

Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor! (Sl.33.12a)

 

Pr. Jairon Paiva

Maranhense e Presidente da JBB.