Natal: Um Renovar da Esperança


Quando o Pai celeste quis avisar aos pastores de Belém acerca do nascimento de seu filho, ele enviou anjos. Mas eles não vieram apenas e falaram a Boa Nova. Não, eles surgiram cantando! A magnífica melodia de suas canções encheu os céus e inundou a terra de um júbilo indizível. Uma onda de amor e esperança varreu os montes de Belém, e depois o mundo inteiro! As canções dos anjos anunciavam o nascimento do menino Deus, o amável salvador da humanidade! A santidade se fez carne, o Deus de poder, repousando numa manjedoura, essa não era uma noite qualquer, mas foi uma noite tão santa que mudaria todas as noites que estariam por vir, trazendo esperança que está acima de qualquer entendimento. Mas quem é esse bebê que encheu a terra de esperança?

A Bíblia relata que Jesus Cristo nasceu há mais de dois mil anos e cujo o nascimento contrariou as leis biológicas. Ele viveu em pobreza e cresceu na obscuridade. Não fez extensas viagens. E só uma vez cruzou as fronteiras da terra onde viveu. Isso ocorreu na infância, quando teve de fugir de sua pátria.

Não possuiu riquezas, nem exerceu influencia na sociedade. Seus familiares não eram pessoas de projeção, não tinham muita instrução, nem alto grau de escolaridade. Quando ainda era bebê, perturbou um rei; quando menino deixou perplexos alguns doutores. Já adulto, dominou o curso da natureza, andou sobre as ondas como se fossem terra firme e fez o mar aquietar-se. Curou multidões sem emprego de medicamentos e não cobrou nada por seus serviços.

Não escreveu nenhum livro e, no entanto, precisaria de muitas bibliotecas deste país para conter os livros que já foram escritos a seu respeito. Nunca compôs uma música, e, no entanto, tem sido tema de músicas e cantatas musicais cujo o número é surpreendente. Nunca fundou uma faculdade, mas é extraordinário o número dos que estudam os seus ensinamentos.

Nunca comandou um exército e nem convocou um soldado, nem disparou um fuzil. E, no entanto, nenhum outro general contou com maior número de voluntários que, sob suas ordens, fizeram rebeldes baixar as armas e render-se a ele, sem dar um único tiro. Nunca praticou a psiquiatria, mas tem dado alivio a muitos corações.

Esse foi o bebê que nasceu em Belém! Nasceu para a humanidade, para os sem esperança, sem sonhos. A resposta de Deus – O Senhor Deus enviou o Seu Filho unigênito em resposta ao clamor universal do homem, aos pedidos que este fazia ou faria algum dia.

As pessoas esqueceram que o Natal é para renovarmos a nossa esperança, para expandir o amor capaz de mudar a humanidade. Jesus não só nasceu a mais de dois mil anos atrás, ele nasce quando, no caminho da vida, o fardo é pesado e temos dificuldades para continuar. Jesus, o Filho de Deus, Ele pode tirar de nosso coração toda carga, toda dor, toda frustração, todo fracasso… Ele nos alivia o peso da vida e nos enche de renovadas ESPERANÇAS. Ninguém pode nos ajudar tanto como Ele!

Jesus renove sua esperança!

Feliz Natal!

 

Jairon Paiva

Presidente da JBB