Com base no tema “Pra você, o amor”, fundamentado em João 3.16, a Juventude Batista Brasileira (JBB) realizou mais um Pés no Arado, projeto missionário que acontece anualmente em uma região do país. Para 2016, o local escolhido foi Ilhéus, na Bahia, e aconteceu entre os dias 02 e 12 de janeiro. Cerca de dez estados foram representados por 87 jovens que participaram da iniciativa, que traz a proposta de levar o amor e a Palavra de Deus através de ações evangelísticas e sociais. Além dos voluntários inscritos, a JBB contou também com a parceria da Juventude Batista Baiana (JUBAB) e apoio da Juventude Batista Grapiunense (JUBAG) e pastores e membros das Igrejas locais que abriram as portas para receber o Projeto.

“A recepção dos pastores e das Igrejas que receberem as equipes foi maravilhosa. ‘Entraram de cabeça’ no Projeto e se dedicaram ao máximo para receber e atender os missionários. Apesar de toda dificuldade de falta d’água na região, todos os voluntários estavam focados e dispostos a amar e servir o povo baiano. Durante o tempo em que eu percorri as bases, algo que percebi de forma muito clara é que este era o tempo escolhido por Deus para estarmos na Bahia desenvolvendo este Projeto e com o tema proposto para este ano: “Pra você, o amor!””, destaca Daiane Lacerda, coordenadora do “Pés no Arado” 2016.

No período do treinamento os participantes tiveram como Igreja-base a Igreja Batista Memorial de Ilhéus, que além de sediar o treinamento e o “Culto da Vitória”, também recebeu grupos de voluntários. Além desta, também receberam equipes as Igrejas: Memorial em Sambaituba (Pastor Abraão Silva); Igreja Batista Ebenézer – Congregação no bairro Mambape – (Pastor Robson Alves); Igreja Batista Betânia em Itabuna (Pastor Herval); Igreja Batista em Itajuípe (Pastor Elias Moreira); e Igreja Batista Sinai em Almadina (Pastor Robson Santos).

Nos dois primeiros dias os voluntários passam por um período de capacitação, quando aprimoram suas habilidades e ouvem testemunhos com a intenção de encorajá-los para a saída ao campo. Este ano, dentre outras oficinas, os participantes tiveram a oportunidade de ouvir as experiências do pastor Cézar Queiroz, da Junta de Missões Mundiais (JMM), que anteriormente estava com sua família no deserto do Atacama, na cidade de Iquiqui, no Chile, desenvolvendo um trabalho missionário, e agora atua como mobilizador da JMM na Bahia.

A palavra do pastor Cezinha, como é carinhosamente conhecido, foi baseada no texto de Jeremias 1.5 e Mateus 3.3, quando enfatizou a responsabilidade de levar o Evangelho de Cristo a outros.

“Nós fomos chamados para preparar o caminho, assim como João Batista fez. Preparar o caminho é preparar o coração para a chegada de alguém especial, é preparar o ambiente e as pessoas para que elas venham receber a Cristo”, afirma pastor Cézar Queiroz.

A coordenação das oficinas de estratégias para evangelismo e também a divisão dos grupos e os locais para onde cada equipe iria foram organizadas pela equipe de Missões da JBB, que coordenou todo o Projeto através dos jovens Ronan Lima, Kryslla Coelho e Daiane Lacerda. Para auxiliá-los em relação aos trabalhos desenvolvidos nos campos foram escolhidos 12 líderes, que durante os oito dias em que estiveram nos bairros propostos para cada equipe, orientaram os voluntários em relação as atividades que ali seriam desenvolvidas. Cada líder, segundo Ronan Lima, foi escolhido por Deus antes mesmo do Projeto iniciar.

“Quando pensamos nos líderes para o “Pés”, a gente ora e lê várias vezes a lista de inscritos. Vemos alguns nomes conhecidos, outros indicados, gente que já foi ao Projeto e gente que vai de primeira. O grande lance é percebermos o movimento de Deus no Reino e nos atentarmos que aquela é a oportunidade de alguém. Neste ano, todos trabalharam em duplas. Inicialmente, não era essa a ideia, mas olha o movimento aí. É Ele quem direciona os líderes, quem monta as equipes e une as “famílias”, destaca Ronan Lima.

Alguns desses líderes, inclusive, participaram pela primeira vez do Projeto, como é o caso da voluntária Suzana Diks, de Mesquita – RJ.

“Tive muitos medos, mas me apoiei na segurança dos céus! Então, me entreguei a isso. Descobri uma liderança que nunca vivi, uma liderança verdadeira e realmente significativa. De repente, minha experiência precisou ser reinventada e viver isso foi maravilhoso. A cada ação via o agir de Deus, aprendi a treinar a fé, a compartilhar de verdade, a superar dificuldades e desafiar a galera. E fazer isso com outra pessoa liderando junto foi sem igual!”, afirma Suzana.

Após o treinamento, os grupos dividem-se e seguem para os campos. Logo na chegada acontece algo muito especial, que é a conversa entre a equipe para que venham conhecer um ao outro. Neste momento são formadas as “famílias”, como os voluntários do “Pés” normalmente chamam os seus grupos, afinal, convivem e compartilham cada segundo deste período de oito dias, o que gera intimidade, companheirismo e amor, como ressalta Kryslla Coelho, uma das líderes da equipe que hospedou-se na Igreja Batista Sinai em Almadina.

“Em um dos nossos devocionais conversamos sobre João 17.20-21, onde está registado que Jesus orou pedindo a Deus que desse união àqueles que haveriam de crer na mensagem dos discípulos. No versículo é mostrado que essa união tem como propósito mostrar que Jesus foi enviado por Deus como prova de amor. Ficou claro que só poderíamos mostrar o amor dEle à cidade de Almadina se antes esse amor estivesse visível entre nós”, relata a voluntária carioca.

Cada “família” traz suas próprias características e atua de modo diferente no campo, apesar das propostas de atividades serem iguais para todas as equipes. Cada bairro e Igreja possui o seu perfil, necessidade e desafio, assim como cada participante tem sua habilidade e personalidade específicas, o que torna o trabalho completamente flexível, como exemplifica Barbara Evelin, que foi uma das líderes da equipe que trabalhou em Itajuípe, a “Família Aliança”.

“Em uma das noites, refletindo sobre como foi o dia, nos questionamos se os nossos planos eram os de Deus e nos dispusemos diante dEle, ajoelhados, unidos em oração, a viver o que Ele quisesse. E se essa fosse a vontade dEle mudaríamos tudo. E aí tudo começou a mudar, até o nosso dia de folga. Foi lindo ver que os planos de Deus jamais podem ser frustrados. Vimos a ação de Deus em cada detalhe”, ratifica a líder Beatriz.

Em Itabuna, por exemplo, dentre todas, a grande dificuldade que a “Família Palmas D’água” encontrou foi a escassez de recursos hídricos. Liderados por Izabel Xavier e Suzana Diks, os voluntários lidaram com desafios que não faziam parte de suas rotinas, como comenta Izabel:

“No primeiro momento ficamos apreensivos pela falta d’água por conta do trabalho com a comunidade. Mas colocamos essa situação na presença do Senhor em oração, e na mesma noite teve uma chuva abençoada, e no dia seguinte o pastor, em contato com a prefeitura, conseguiu um carro-pipa para abastecer a caixa d’agua, e assim conseguimos realizar as atividades. Vale ressaltar que não chovia na localidade há algum tempo, e segundo a palavra do pastor Herval, foi só o grupo do “Pés no Arado” chegar que a chuva começou. Em todo tempo o Senhor mostrou o Seu cuidado e sentimos que o nosso trabalho estava alegrando o coração dEle”, acrescenta a cearense Izabel Xavier.

Ratificando que a realidade dos bairros selecionados para as ações são bem diferentes e que cada equipe vive experiências únicas, é possível citar o que viveram os participantes do “Pés” que atuaram em Mampabe, na Congregação da Igreja Batista Ebenézer. A “Família Linda Ebenézer” relata que teve água de sobra, contudo, enfrentaram muitas dificuldades para a realização das atividades nos primeiros dias do Projeto, como conta o voluntário capixaba Aleksander de Souza.

“No início foi difícil. Por um lado estava o medo, por conta de não conhecermos o bairro e pelas notícias que tivemos de lá. Parecia ser bastante perigoso. Por outro lado, a falta de saber ao certo o que fazer diante dessa realidade, quais ações realizar, como e onde nos deixou aflitos. Dificuldades essas que rapidamente foram vencidas. Deus claramente orientou nossa família ao que devíamos fazer e percebemos que esse medo não era necessário, diante do carinho que recebemos de todos os moradores”, diz Aleksander de Souza.

O Pés, segundo quem participa, é uma experiência que mexe com a mente, alma e coração. Cada voluntário é tratado em áreas específicas da vida e cresce com os vários ensinamentos que adquire, tanto na convivência com os demais participantes, como nas ações realizadas. Em 2016 a “Família Sambaítuba” foi um desses exemplos.

Hospedados em um local de difícil acesso à internet e sinal telefônico, em um mundo totalmente tecnológico, quando a maioria dos jovens está completamente imersa nas redes sociais, ficar mais de uma semana longe do celular pode ter sido um grande desafio para os que compuseram esta equipe, mas um desafio que valeu a pena, como declara o participante Deglier Vasconcelos, morador de São João de Meriti – RJ.

“Foi uma experiência ímpar. De uma forma involuntária, não perdemos nosso tempo e não fomos interrompidos pelas redes sociais. Podendo, assim, nos dedicarmos de modo integral ao Projeto”, ressalta o participante.

Como já citado, o Projeto “Pés no Arado” é completamente flexível, e cada ano conta com as surpresas de Deus. Em 2016, a princípio, seriam oito equipes espalhadas por Ilhéus. Após o início do Projeto, definiu-se que o número seria cinco. Foi quando Deus surpreendeu a liderança do Projeto e presenteou a coordenação com mais um campo. Ou seja, seriam seis “famílias” em vez de cinco. Fernanda Novaes e Rafael Nascimento, ambos do Rio de Janeiro, coordenaram esta sexta equipe, que ganhou o nome de “Família Resgate”, e fez história no Pés 2016 através da composição da música tema deste ano, “Pés no Arado”, composta pelos voluntários Rafael Nascimento e Diego Jami. Confira a letra da canção:

PÉS NO ARADO

(Rafael Nascimento e Diego Jami)
Perdido estava eu
andando por aí
sem rumo, sem esperança
Buscando encontrar
a voz que outrora ouvi
E enfim me derramar

Sinto que o teu amor me alcançou
E dessa graça sou refém
Nada pode me tirar desse lugar

Eu fui resgatado
Coloquei meus pés no arado
Eu não vou mais resistir
Meu chamado vou cumprir

Tua voz me chama
Eu vou seguir teus passos hoje aqui
Espalhando teu amor pelas nações

Tua voz me chama
Eu vou seguir teus passos hoje aqui
Espalhando teu amor

Ao encerrar o oitavo dia de atividades, incluindo o dia de folga, quando os voluntários aproveitam para descansar e aproveitar um pouco das belezas da cidade, os jovens se reuniram novamente na Igreja Batista Memorial de Ilhéus para celebrar o tão aguardado “Culto da Vitória”. Essa noite é dedicada para o compartilhar do testemunho de cada equipe. É um momento muito emocionante, pois além de reencontrar os amigos de caravana – que são separados após o treinamento –  os voluntários têm a oportunidade de se despedir dos pastores e irmãos das Igrejas que acolheram os grupos.

Como você pôde perceber, o Projeto missionário “Pés no Arado” vai muito além de evangelismo e ações sociais, embora essa seja a proposta inicial. É a demonstração prática do amor de Deus derramado na Cruz pelos seus filhos. “Há muito pra fazer, não há mais tempo pra olhar pra trás…”, parafraseando a música da banda “Quatro por Um”, “Eu tenho um chamado”, não olhe para trás, olhe para o futuro e para o quanto Deus deseja usar a sua vida, apenas disponha-se a ser canal de bênçãos nas mãos dEle. Ele não espera que você tenha técnicas específicas de evangelismo para o Ide. É claro que é importante a capacitação, porém, o fundamental você já tem, que é a Bíblia, onde encontram-se as palavras de Vida Eterna, que podem transformar a vida de muitos que estão ao seu redor.

Envolva-se com Missões, envolva-se com o que Deus está fazendo no mundo. Coloque o Projeto “Pés no Arado” diante de Deus, e coloque-se também à disposição. O local do próximo “Pés” ainda não foi divulgado, mas quem sabe em 2017 você também não seja um desses voluntários. Você terá os próximos meses para pensar, orar e organizar-se financeiramente. Fique de olho no site da Juventude Batista Brasileira (http://www.juventudebatista.com.br/) e na página no Facebook (https://www.facebook.com/juventudebatistabrasileira). Lá você encontra todas as novidades. Que Deus abençoe a sua vida!

Paloma Furtado

É Jornalista e Editora-Chefe do O Jornal Batista.